[ editar artigo]

5 Estratégias Nutricionais para auxiliar no manejo da ansiedade

5 Estratégias Nutricionais para auxiliar no manejo da ansiedade

Tendo em vista que o Brasil é o país mais ansioso do mundo, não é difícil que você, nutricionista, já tenha se deparado no consultório com um paciente apresentando quadro característico de ansiedade.

Até mesmo, com o transtorno de ansiedade já diagnosticado pelo médico.

E você sabia que pode auxiliar a restaurar a saúde mental desse seu paciente, com estratégias nutricionais para o manejo da ansiedade?

Com base na ciência da nutrição, e aplicadas de forma individualizada, é claro!

 

Segundo a Organização Mundial de Saúde, o Brasil é realmente o país mais ansioso do mundo, com a ansiedade afetando cerca de 9,3% dos brasileiros.

E, durante a pandemia, o quadro só se agravou: de acordo com o Ipsos (2020), de 16 países avaliados, o Brasil é o que mais sofre com ansiedade por causa da pandemia de coronavírus.

 

Entendendo o quadro de ansiedade e onde entra a nutrição

A ansiedade é um quadro complexo e multifatorial que envolve diferentes mecanismos. Estes mecanismos irão atuar, principalmente, nas concentrações de serotonina, ácido gama-aminobutírico (GABA) e noradrenalina, levando aos diferentes sintomas associados a esse quadro.

Alterações no eixo intestino-cérebro, deficiência de nutrientes, inflamação, sono ineficiente, dentre outros fatores ambientais, fisiológicos, sociais e comportamentais estão relacionados com a fisiopatologia da ansiedade.

Dessa forma, pensar no manejo desse quadro é sinônimo de incluir intervenções que auxiliam na regulação dessas alterações, inclusive em relação à promoção de hábitos de vida mais saudáveis.

Um estudo transversal conduzido por Sanei e colaboradores (2016) com 3.363 adultos demonstrou que aqueles que apresentaram uma maior pontuação de estilo de vida saudável (incluindo hábitos alimentares e prática de atividade física), tinham 95% menos chances de serem ansiosos.

 

E, por isso, a nutrição é uma importante aliada!

 

A importância do nutricionista na prevenção e no tratamento da ansiedade

A presença do nutricionista dentro de um contexto multiprofissional é fundamental para o manejo da ansiedade.

Primeiramente, porque a partir da educação nutricional, o nutricionista promove a autonomia do paciente em adotar atitudes e hábitos alimentares mais saudáveis.

Além disso, a partir da anamnese nutricional e avaliação nutricional o nutricionista pode identificar:

  • Presença da deficiência de nutrientes importantes para a síntese e a função dos neurotransmissores serotonina e GABA
  • Possíveis alterações na microbiota intestinal que podem impactar no eixo intestino-cérebro
  • E ainda, se o padrão alimentar desse paciente tem um perfil mais pró-inflamatório.

Com uma visão integrativa, o nutricionista será um importante agente de mudanças positivas na promoção da qualidade de vida desse paciente.

 

Estratégias nutricionais que podem auxiliar no manejo da ansiedade

Algumas estratégias nutricionais podem ser aliadas do manejo da ansiedade.

Vamos conhecer algumas e entender o porquê contribuem com a prevenção e o tratamento desse quadro?

1. Chás com efeito calmante: ervas como Matricaria recutita e Melissa officinalis  apresentam em sua composição diferentes fitoativos, mas principalmente flavonoides e triterpenoides, respectivamente.

Esses fitoativos demonstraram capacidade de modular as vias de ação do GABA. Dessa forma, atuam induzindo efeito relaxante.

Indique na forma de infusão 2 a 3x ao dia.

 

2. Alimentos fontes de l-triptofano: o l-triptofano é um aminoácido essencial para a síntese de serotonina e, por isso, é importante adequar a sua ingestão diária.

Feijões, lentilha, grão-de-bico, aveia, amêndoas e arroz integral são alguns exemplos de alimentos fonte que podem fazer parte da rotina alimentar do seu paciente!

 

É IMPORTANTE SABER: Dietas low carb ou hiperproteicas podem não oferecer a quantidade diária ideal de l-triptofano.

 

Por isso, é importante estar atento!

 

3. Adequar a ingestão diária de magnésio: o magnésio atua em conjunto com o l-triptofano e outros nutrientes na síntese de serotonina e também como agonista do GABA.

Além do reforço na prescrição de alimentos como sementes de gergelim, de abóbora e de linhaça, castanha do Brasil, nozes, castanha de caju e amêndoas, que são fontes de magnésio, é importante avaliar a necessidade de suplementar esse mineral para o seu paciente.  

 

É IMPORTANTE SABER: O magnésio quelato apresenta biodisponibilidade superior, assim como quando prescrito em doses fracionadas.

 

4. Melhorar a saúde intestinal: uma vez que o eixo-intestino cérebro regula hormônios e neurotransmissores e influencia na inflamação, principalmente pela composição da microbiota intestinal, é importante cuidar da saúde do intestino.

Além do ajuste da hidratação e do consumo de fibras, o consumo de bebidas fermentadas como kefir e kombucha podem ser aliadas de um intestino mais saudável.

Também é importante avaliar a necessidade de prescrição de probióticos: estudos já foram conduzidos com diferentes cepas isoladas ou combinadas como L. plantarum P8, B. lactis BB12, L. acidophilus, entre outras.

 

5. Adequar a ingestão diária de ômega-3: o ômega-3 é um nutriente com diferentes papéis neuromoduladores e que podem favorecer o manejo da ansiedade como a melhora da fluidez da membrana neuronal, modulação da serotonina e ação anti-inflamatória.

Assim, é ideal investigar o consumo de alimentos fontes desse nutriente na rotina do paciente, como sardinha e salmão.

Além de avaliar de forma individualizada a necessidade de suplementação de doses iguais ou maiores do que 2g por dia de EPA+DHA.

 

 

É importante que a prescrição dessas estratégias na rotina do paciente seja avaliada de forma individualizada.

Saúde mental importa, e precisamos ter esse olhar para o paciente como um todo, inclusive quanto ao seu estado emocional, mental, e bem-estar.

 

Afinal, saúde é muito além do que a ausência de doenças, e o bem-estar mental é primordial para a qualidade de vida.

 

Inclusive, estamos no Janeiro Branco, uma campanha que visa promover a conscientização da população para a importância do cuidado com a saúde mental e emocional, principalmente para quem já sofre com distúrbios mentais, como a ansiedade.

Quer saber mais sobre a campanha e como o Nutricionista pode se inserir?

Não deixe de conferir o artigo que publicamos aqui no site: Janeiro Branco: o que é e como o nutricionista pode se inserir na campanha de saúde mental

 

"O mundo pede saúde mental", e você pode contribuir também!

 

Artigo por colaboração da Nutricionista Bruna Nogueira

 

Referências Bibliográficas

Saad, G. A. et al. Fitoterapia Contemporânea: Técnica e Ciência na prática Clínica. 2. ed. São Paulo: Editora Guanabara Koogan LTDA. 2016.

 

Su KP, et al. Association of Use of Omega-3 Polyunsaturated Fatty Acids With Changes in Severity of Anxiety Symptoms: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Netw Open. 2018;1(5):e182327.

 

Norwitz NG, Naidoo U. Nutrition as Metabolic Treatment for Anxiety. Front Psychiatry. 2021 Feb 12;12:598119.

 

Patriquin MA, Mathew SJ. The Neurobiological Mechanisms of Generalized Anxiety Disorder and Chronic Stress. Chronic Stress (Thousand Oaks). 2017;1:2470547017703993.

 

Gibson-Smith D, Bot M, Brouwer IA, Visser M, Giltay EJ, Penninx BWJH. Association of food groups with depression and anxiety disorders. Eur J Nutr. 2020;59(2):767-778.

 

Saneei P, et al. Combined Healthy Lifestyle Is Inversely Associated with Psychological Disorders among Adults. PLoS One. 2016;11(1):e0146888.

 

Marx, W. et al. Nutritional psychiatry: the present state of the evidence. The Proceedings of The Nutrition Society, v. 76, n. 4, p. 427-436, 2017.

 

Ma T, et al. Probiotic consumption relieved human stress and anxiety symptoms possibly via modulating the neuroactive potential of the gut microbiota. Neurobiol Stress. 2021;14:100294.

 

Vitellio P, et al. Probiotics in Psychosocial Stress and Anxiety. A Systematic Review. J Gastrointestin Liver Dis. 2020;29(1):77-83.

 

Shakeri A, Sahebkar A, Javadi B. Melissa officinalis L. - A review of its traditional uses, phytochemistry and pharmacology. J Ethnopharmacol. 2016;188:204-228.

 

Boyle NB, Lawton C, Dye L. The Effects of Magnesium Supplementation on Subjective Anxiety and Stress-A Systematic Review. Nutrients. 2017;9(5):429.

 

Miraj S, Alesaeidi S. A systematic review study of therapeutic effects of Matricaria recuitta chamomile (chamomile). Electron Physician. 2016;8(9):3024-3031.

 

Souza, L.R. de S.; Baptistella, A.B.; Paschoal, V. (org). Nutrição Clínica Fucnional: Nutrientes aplicado à prática clínica. Editora VP Centro de Nutrição Funcional: São Paulo. 2018.

 

Nutrição Funcional e Fito

Academia da Nutrição
Academia da Nutrição
Academia da Nutrição Seguir

Queremos DESCOMPLICAR a ciência da nutrição. Dar voz aos profissionais de saúde e abrir diálogo com todos envolvidos, incluindo marcas e produtos. Plataforma exclusiva para nutricionistas e estudantes da área. É DE GRAÇA E SEMPRE VAI SER.

Ler conteúdo completo
Indicados para você