[ editar artigo]

Adaptógenos e doenças relacionadas ao estresse e ao envelhecimento

Adaptógenos e doenças relacionadas ao estresse e ao envelhecimento

Os adaptógenos compreendem uma categoria de produtos fitoterápicos e nutricionais que promovem a adaptabilidade, resiliência e sobrevivência de organismos vivos em estresse.

 

Panossian et al, publicaram essa revisão em 2021 com objetivo de resumir o conceito das plantas adaptogênicas usadas como preparações médicas oficiais na Rússia e em outros sistemas de medicinas tradicionais, como medicina tradicional chinesa (MTC), Ayurveda, Kampo, com foco no uso de adaptógenos no tratamento de transtornos induzidos por estresse e relacionados ao envelhecimento. 

 

 

Os pontos levantados no artigo vão da evolução do conceito de adaptógenos e as relações com os diversos sistemas de medicina existentes, a ação fisiológica, os adaptógenos mais comum e os desafios futuros da utilização na medicina ocidental. 

 

Vale lembrar que o artigo todo é pautado na perspectiva da medicina russa e européia ocidental na utilização dos adaptógenos de acordo com as legislações destas localidades.

 

Conceito Adaptogênico e em diversos sistemas de medicina

 

O termo adaptógenos é amplamente utilizado em medicina alternativa e complementar, bem como em farmacognosia, fitomedicina e pesquisa em fitoterapia. A definição de adaptógenos é continuamente atualizada. É importante ressaltar que o termo adaptógeno está relacionado a um processo fisiológico – adaptação ao ambiente e  que é um processo de várias etapas, incluindo diversos mecanismos de interações extracelulares e intracelulares.

 

Semelhante aos antioxidantes e vitaminas, os adaptógenos constituem uma categoria de medicamentos nutricionais e fitoterápicos, produtos essenciais para uma boa saúde, adaptabilidade, resiliência, sobrevivência e envelhecimento saudável. Independentemente da natureza do estímulo (estressor), um adaptógeno aumenta a adaptabilidade, resiliência e sobrevivência ativando as vias de sinalização adaptativa dos sistemas de defesa celular e do organismo (sistema de estresse, por exemplo, complexo neuroendócrino-imune).

 

Além disso, os adaptógenos desencadeiam a geração de hormônios (cortisol, hormônio liberador de corticotropina [CRH] e hormônios liberadores de gonadotrofina, urocortina, neuropeptídeo Y), desempenhando papéis-chave na regulação metabólica e homeostase.

 

Portanto, os adaptógenos são provavelmente eficazes para a prevenção e tratamento de estresse induzido, como fadiga crônica, comprometimento da memória, depressão, ansiedade, distúrbios do sono, diabetes, doenças cardíacas, pressão alta, inflamação crônica e doenças autoimunes, resfriado e gripe, infecções, doenças do fígado e câncer. 

 

Isso pode ser alcançado devido à sua capacidade de ativar o sistema de defesa inato, aumentar a resistência ao estresse, adaptar os organismos ao estresse, aumentar a recuperação de danos induzidos pelo estresse, fornecer energia para combater a fadiga, reduzir o declínio do sistema imunológico neuroendócrino associado ao envelhecimento.

 

Na Rússia, em meados do século 20 ainda conhecida como União Soviética (URSS), o termo adaptógeno foi introduzido pelo toxicologista soviético Lazarev, que o aplicou ao estimulante sintético dibazol (2-fenilimidazol), assumindo que os adaptógenos aumentam a reatividade inespecífica.  Essa suposição foi baseada nos resultados de estudos intensivos de Schisandra chinensis na URSS durante a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de encontrar uma alternativa aos estimulantes usados pelo exército alemão e britânico para aumentar a atenção e a resistência dos pilotos. Foram utilizadas as bagas e sementes para atenção e resistência e um tônico para a sede, a fome e a exaustão e melhorar a visão noturna.

 

Durante as décadas de 1960 e 1970, outros cientistas soviéticos estenderam a pesquisa de adaptógenos para plantas medicinais, como Ginseng Siberiano (Eleutherococcus senticosus), Schisandra Plantas “rejuvenescedoras e revigorantes” tradicionalmente usadas na China, Coréia, Japão, Sibéria e no extremo leste da Rússia para uma variedade de condições patológicas, incluindo doenças e seus sintomas, como astenia, falta de ar, palpitação, insônia, hemorragia e diabetes.


 

Independentemente da indicação formal para uso na medicina oficial como tônicos, os adaptógenos foram amplamente utilizados em:  medicina esportiva para promover uma recuperação mais rápida após exercícios pesados e sobrecarga,  medicina ocupacional para proteção contra fatores ambientais negativos; medicina geriátrica com o objetivo de promover a saúde prevenindo e tratando doenças e deficiências em idosos e adultos e  medicina espacial.

Além disso, adaptógenos denominados “Pílulas Mágicas do Kremlin” e “Elixir da Juventude” que aumentam a força,resistência e longevidade eram populares entre os líderes idosos de elite do Partido Comunista da URSS, que governou o país por muitos anos.

 

Os pontos-chave do conceito adaptogênico definido por Brekhman e Dardymov em 1969 estão alinhados com os princípios básicos do sistema de medicina tradicional (SMT) da China, Coréia, Japão, Índia (Ayurveda) e Ásia Central (Yunani). Ambos os SMT têm uma noção semelhante de “energia vital da vida” e ativando o corpo e a mente: o qi na medicina tradicional chinesa (MTC) e o prana em Ayurveda.

Noções semelhantes existem em várias culturas, incluindo o grego pneuma, o armênio zorutyun, o polinésio mana, o alemão od e o hebraico ruah. Abaixo estão breves descrições das raízes etnofarmacológicas do conceito adaptogênico. 

 

Medicina Tradicional Chinesa

 

A MTC tem cerca de 5.000 anos, então bilhões de pessoas na China foram tratados com estes medicamentos à base de plantas/botânicos durante séculos. O núcleo do conceito da MTC é a teoria yin-yang, que consiste em dois aspectos naturais, complementares e contrários, forças ditas de polaridade oposta que interagem para formar um sistema dinâmico em que o todo é dual e melhor/superior que as partes reunidas.

De acordo com essa filosofia, tudo tem características yin e yang (por exemplo, sombra não pode existir sem luz), que estão em equilíbrio dinâmico (equilíbrio); yin é negativo/passivo/ níveis no sangue). escuro/feminino/água, enquanto yang é positivo/ativo/brilhante/masculino/fogo. Embora o yin seja mais forte, eles estão sempre em saldo.
 

De acordo com a MTC, o tratamento de doenças deve corrigir a harmonia e restaurar o equilíbrio do qi e yin-yang. Isto é a qualidade, a quantidade e o equilíbrio do qi que determinam o estado de saúde e a expectativa de vida. A comida e o ar afetam a saúde; portanto, dieta e exercícios respiratórios são de primordial importância. 

 

Na MTC, todas as plantas medicinais conhecidas são divididas em três categorias: inferior, média e superior. As mais altas formas de medicina reverenciadas na China são as ervas superiores (ervas tônicas), que ajudam tudo a curar e nutrir própria vida. Acredita-se que as ervas superiores possuem propriedades restauradoras e são usadas como tônicos gerais para o tratamento de doenças e na convalescença. A planta medicinal de ação ampla mais conhecida na MTC é o ginseng.

 

Kampo - Medicina Acadêmica Tradicional Japonesa

 

“Kampo” (Medicina Acadêmica Tradicional Japonesa) desenvolvida nas ilhas japonesas de 500 dC com base na Medicina Chinesa Antiga (MCA) - o sistema ancestral comum do Kampo Japonês, da Medicina Coreana (MC) e da Medicina Tradicional Chinesa.

O século XVI resultou em uma evolução cultural divergente, estabelecendo Kampo como um SMT independente e distinto de outros sistemas. Como o Kampo é regulamentado pelo governo japonês, as prescrições do Kampo (como produtos farmacêuticos acabados) estão incluídas na Farmacopeia Japonesa (JP) e cobertas pelo seguro nacional de saúde. Toda fórmula Kampo é indicada para indivíduos com os mesmos “padrões de sintomas” (sho), com base no estado patológico de um indivíduo. 

 

Uma classe especial de prescrições Kampo com grande semelhança com o conceito adaptogênico são as chamadas “preparações de suporte” ou Hozai. O termo hozai é usado para descrever preparações que são aplicadas para parar ou reverter parcialmente os sintomas de fraqueza física e doenças degenerativas e se assemelha ao conceito de adaptogenos. Hozai pode ser usado em casos de doenças tipicamente geriátricas, mas também em qualquer outro caso de deterioração física, como câncer . 

 

O uso tradicional de ginseng em bilhões de pessoas durante séculos é um importante ao conceito adaptogênico, particularmente no contexto de seus modos de ação como eustressores (ou seja, bons estressores). O uso tradicional de ginseng em bilhões de pessoas durante séculos é um importante argumento a favor de que não seja tóxico, inócuo e não influencie as funções corporais normais mais do que necessário.

 

Ayuverda 

 

Ayuverda é um sistema medicinal que se originou há mais de 3 milênios no Sul da Ásia. Na filosofia ayurvédica, o conceito central é a teoria de Tridosha, sugerindo que uma boa saúde ocorre quando há um equilíbrio dinâmico entre três forças dinâmicas fundamentais ou dosh como chamado Vata (combinação de ar e água, que está associada à função do sistema nervoso.

 

Um desequilíbrio leva à dor, insônia e incapacidade de se concentrar e permanecer na tarefa), Pitta (a combinação de fogo e água e está associado à bile, digestão e metabolismo) e Kapha (combinação de água e terra, e está associado ao muco, lubrificação e transporte de nutrientes no sistema arterial). 

 

De acordo com a teoria ayurvédica, a energia vital da vida, Prana, vem do ar para o cérebro através da respiração. Prana é estabelecido no cérebro e governa emoções, memória e outras funções da mente. Também rege a funcionamento do coração e entra na corrente sanguínea para controlar todos os órgãos vitais. 

 

Na Ayurveda, as plantas conhecidas como rasayana são usadas como rejuvenescedoras e para melhorar a saúde geral de qualquer pessoa submetida a esse tratamento. A palavra rasayana significa literalmente o caminho que rasa toma (rasa: o tecido primordial ou plasma; ayana: caminho).

 

De acordo com o Ayurveda, as qualidades do rasa-dhatu influenciam a saúde de outros dhatus (tecidos) do corpo, pois é o mais primário em função e funciona como a unidade básica. Daí qualquer planta medicinal ou formulação que melhore a qualidade da rasa (rasayanas), fortaleça ou promova a saúde de todos os tecidos do corpo. 

 

W. somnifera é usada na Ayurveda para promover a saúde e a longevidade, retardando o processo de envelhecimento, revitalizando o corpo, reduzindo a ansiedade e criando uma sensação geral de bem-estar. 

 

A. paniculata, “o rei dos amargos”, é usado no ayurvédico e em outros sistemas tradicionais de saúde da Índia, China e outros países asiáticos para vários fins medicinais, por exemplo, como um antipirético eficaz tratamento contra uma variedade de doenças infecciosas, incluindo bronquite, amigdalite, tuberculose, malária e febre intermitente, infecção urinária com dor ao urinar difícil e outras situações.

 

As práticas modernas derivadas do Ayurveda são agora classificadas como um tipo de complemento ou medicina alternativa, especialmente no Norte Global. Em conclusão, a filosofia fundamental da medicina ayurvédica, particularmente no contexto da regulação da homeostase do sistema de estresse (complexo neuroendócrino-imune, veja abaixo), resistência inespecífica (energia vital = prana), efeitos farmacologicamente pleiotrópicos ou polivalentes e a efeitos antienvelhecimento dos adaptógenos é muito semelhante ao conceito de adaptógenos. 

 

Yunani

 

Yunani ou Unani é o termo para a medicina tradicional parsi-árabe praticada no subcontinente indiano e em cultura muçulmana no centro e sul da Ásia. O termo é derivado do grego árabe e tem origem helenística baseado nos ensinamentos dos médicos gregos Hipócrates, Dioscórides e Galeno Unani. Foi desenvolvido e enriquecido por Abu-Ali Ibn Sina (Avicenna), Amirdovlat e outros médicos e filósofos medievais.

 

Amirdovlat usava bryony, a planta medicinal sagrada, como panacéia para todas as doenças para prevenir o envelhecimento prematuro e manter boa saúde e vitalidade. Nos tempos pré-cristãos, a raiz de Bryonia alba L. era um objeto oculto na Armênia (Loshtak em armênio), onde era usado como medicamento para todas as doenças. 

 

A raiz Bryonia tem sido usada para tratar uma ampla gama de condições e distúrbios incluindo fadiga, gota, artrite, reumatismo, neuralgia, dor. psoríase, abscessos, alergias, lepra. O extrato de Bryonia foi integrado na medicina oficial como uma droga tônica e adaptogênica na Armênia, Rússia, Ucrânia e Bielorrússia na década de 1990 do século XX e na primeira década do século XXI.

 

Preparações do extrato de raiz de Bryonia alba L. (“Loshtak ” comprimidos) foram registrados como medicamentos pela Federação Russa em 2002. Bielorrússia em 2003, Ucrânia em 2007 e Armênia em 1992 e 2003 como adaptógeno e tônico na astenia; agente para.  diminuição da resistência a infecções; manutenção da capacidade de trabalho, coordenação e atividade mental; e pré prevenção de estresse, toxicidade e distúrbios induzidos por radiação e quimioterapia, e assim por diante. 

 

Homeopatia e Medicina Antropósofica 

 

De acordo com a teoria homeopática, a eficácia e segurança de uma mesma planta depende significativamente de quando e onde foi coletado e como foi processado. Por exemplo, raízes de verão de Bryonia recém-colhidas são usadas na tintura homeopática Acofit e é indicado em lumbago, neuromielite e radiculomiosite, enquanto 20% dos extrato etanólico e pó seco das raízes são reconhecidos como tratamento para bronquite, pleurisia, asma, coqueluche e outros distúrbios inflamatórios. 

 

Além da homeopatia, outras tradições também prestam muita atenção à autocura e ao enfrentamento de situações. A medicina antroposófica é uma tradição médica complementar fundada na década de 1920 por Rudolf Steiner, que defendeu o uso de Viscum album L. (o visco europeu de baga branca) no câncer. É um abordagem holística da medicina com foco em garantir que as condições de saúde estejam presentes em uma pessoa. 

 

As terapias antroposóficas destinam-se a melhorar a capacidade de cura de um organismo de acordo com a adaptabilidade e homeostase adaptativa.

 

Antecedentes fisiológicos sobre o conceito adaptogênico

 

O conceito de adaptógenos é baseado na teoria de estresse e homeostase de Hans Selye. A palavra “estresse” é comumente usada em inúmeras condições e têm significados bastante diferentes na vida cotidiana. Nesta revisão, usamos definições comumente aceitas de estresse, homeostase, resposta adaptativa ao estresse e homeostase adaptativa, conforme abaixo.

 

  • O estresse é um estado de homeostase ameaçada,dependendo da gravidade e duração, o estresse pode ter um impacto bem diferente no organismo - de benéfico a prejudicial: estresse crônico (estresse muito pequeno), estresse agudo (estresse ideal) quando se inicia o estresse adaptativo e há benéfico resposta adaptativa do organismo, enquanto quando o estresse aumenta além de um certo nível - angústia aguda (muito estresse) e estresse crônico (burnout) - leva a efeitos prejudiciais à saúde e pode causar inúmeras doenças. Nesse contexto, os adaptógenos atuam como eustress crônico ativando a resposta adaptativa ao estresse, a resiliência e a sobrevida global. O sistema de estresse é o complexo neuroendócrino-imune, o sistema de estresse adaptativo inclui todos os sistemas fisiológicos envolvidos no processo de adaptação ao estresse.

  • A homeostase é um equilíbrio dinâmico complexo/estado estacionário, mantido por processos fisiológicos coordenados no organismo. Em outras palavras, a homeostase é a capacidade de um organismo vivo ou célula de manter o estado de equilíbrio interno apesar das mudanças nas condições ao seu redor, enquanto o estresse é a incapacidade temporária de manter esse estado estável.

  • Adaptação como um processo ativo de resposta a desafios comportamentais, fisiológicos, estruturais e/ou mudanças genéticas sobre impactos ambientais que estão além das faixas biologicamente adequadas.

  • Resiliência é a capacidade de manter ou retornar rapidamente a um equilíbrio físico e psicológico estável, apesar de experimentar eventos estressantes.

  • A homeostase adaptativa é definida como os ajustes transitórios reversíveis da faixa homeostática em resposta à exposição a moléculas ou eventos de sinalização. A homeostase adaptativa é a capacidade celular ou do organismo de ajustar a faixa homeostática em resposta a adaptógenos de ervas. Nesse contexto, adaptógenos aumentam a faixa homeostática para o nível de homeostase adaptativa ativando a resposta adaptativa ao estresse resultou em maior resiliência e sobrevida global.

  • Síndrome de adaptação geral – resposta trifásica incluindo reações inespecíficas (atrofia do timo, hiperplasia suprarrenal, ulceração estomacal, aumento da secreção de cortisol e catecolaminas, etc.) de organismos evocados ao estresse: (i) fase de alarme, (ii) fase de resistência inespecífica, após a qual os sintomas desaparecem, e (iii) fase de exaustão, quando o os mesmos sintomas reaparecem, seguidos de morte.

  • A resposta adaptativa ao estresse (hormese) é a capacidade de uma célula, tecido ou organismo de resistir melhor aos danos causados pelo estresse pela exposição prévia a uma menor quantidade de estresse, conhecida como resposta adaptativa. É observado em todos os organismos em resposta a vários agentes citotóxicos diferentes. 

 

A exposição leve repetida ou baixas doses de estresse induzem o aumento da resistência das células e organismos a subsequente exposição ao estresse, resultando em uma adaptação que favorece a sobrevivência. 

 

Com base em conceitos modernos, as plantas sintetizam em suas partes mais suscetíveis (flores, raízes e folhas) metabólitos secundários especiais para autoproteção contra microorganismos, insetos e outras pragas, bem como para mitigar condições ambientais prejudiciais.

 

Em animais que usam as plantas como nutrição vários mecanismos para neutralizar os efeitos potencialmente venenosos das fitotoxinas evoluíram. Esses subsequente exposição ao estresse, resultando em uma adaptação que favorece a sobrevivência. Esse fenômeno de adaptação a compostos naturais não são nocivos em humanos em doses mais baixas, mas são capazes de induzir respostas leves ao estresse celular.

 

Em conclusão, a resposta adaptativa ao estresse é um mecanismo de sobrevivência que inclui a resposta genética a estressores ambientais leves. Os estressores leves incluem exercícios, restrição calórica e adaptógenos, que atuam ativar vias de sinalização adaptativas do sistema de estresse adaptativo para aumentar as funções de manutenção celular do corpo em alta velocidade com células tendo uma resposta mais eficiente. Os adaptógenos desencadeiam a resposta adaptativa ao estresse para reduzir a inflamação crônica (inflamação) e promover o envelhecimento saudável. 

 

Plantas adaptogênicas e seus compostos ativos

 

Os principais constituintes ativos de plantas adaptogênicas (como investigado até o momento) podem ser divididos em três grupos químicos principais:

 

  • Compostos com esqueleto tetracíclico como cortisol e testosterona – terpenóides ginsenosídeos, sitoindosídeos, cucurbitacinas e withanolides.

  • Análogos estruturais de catecolaminas ou lignanas de tirosina (esquisandrina B de S. chinensis, eleutherosídeo de E. senticosus), derivados de fenilpropano (rosavina de R. rosea e siringina de E. senticosus), derivados de fenil-letano ( tirosol e salidroside de R. rosea)

  • Análogos estruturais de resolvinas — oxilipinas (ácidos graxos poli-insaturados poli-hidroxilados16).

 

O número de plantas relatadas como adaptogênicas aumentou exponencialmente, no artigo você pode encontrar uma lista com 108 plantas. No entanto, deve-se enfatizar que apenas alguns cumprem o critério mais importante exibindo efeitos multialvos no sistema neuroendócrino-imune.

 

Esses efeitos incluem o desencadeamento em vias de sinalização adaptativas extracelulares e intracelulares que promovem a sobrevivência celular e a resiliência do organismo em estresse; a regulação do metabolismo e homeostase por meio de efeitos sobre a expressão de hormônios do estresse (hormônios liberadores de corticotropina e gonadotrofina, urocortina, cortisol, melatonina, Hsp70 e neuropeptídeo Y) e seus receptores. 

 

O uso atual e perspectiva de adaptógenos no estresse e doenças induzidas e relacionadas ao envelhecimento. 

 

A principal diferença entre adaptógenos e estimulantes convencionais, como cafeína e anfetamina, é que após uso prolongado, este último pode fazer com que o usuário desenvolva tanto tolerância quanto dependência. 

 

O uso profilático de adaptógenos parece ser justificado em indivíduos saudáveis para prevenir doenças relacionadas ao envelhecimento, doenças e atenuar os efeitos nocivos induzidos pelo estresse. Várias revisões sistemáticas e relatórios de avaliação foram realizados sobre a eficácia clínica e segurança de Ginseng, Eleuterococcus, Rhodiola, Withania.

 

Os resultados sugerem o papel potencial de W. somnifera no controle do diabetes mellitus, mas a evidência não é robusta devido à insuficiência de dados clínicos disponíveis. Em cinco estudos realizados em pacientes com ansiedade e estresse, significativa (em maioria dos casos) foram observadas melhorias com a intervenção de Withania em comparação com placebo, mas foram identificados casos de viés potencial.

 

Na maioria dos primeiros estudos clínicos sobre preparações de Eleutherococcus conduzidos na URSS nas décadas de 1960 e 1970, resultados positivos foram comumente relatados. No entanto, a maioria desses ensaios carecia de uma boa metodologia. Em 2009, Li e cols. avaliou a eficácia e segurança de Eleutherococcus em pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico agudo em uma revisão sistemática Cochrane, no entanto, como o risco de viés em todos os estudos incluídos foi alto, os autores concluíram que são necessários estudos muito maiores e de maior qualidade metodológica. 

 

Decisões semelhantes foram tomadas em 2011 e 2012 em relação à Rhodiola e ao Ginseng. Os efeitos benéficos da ginseng na função cognitiva foram demonstrados em vários estudos, mas a evidência não foi suficiente para alcançar a designação de uso bem estabelecido em 2012 devido à heterogeneidade das preparações investigadas, número limitado de participantes, diferenças no desenho do estudo e qualidade metodológica.

 

Já no caso da R. rosea, não pode-se concluir que houve evidência suficiente para uso bem estabelecido no tratamento de fadiga ou fraqueza mental. No entanto, os dados suportam a plausibilidade do uso dos medicamentos tradicionais à base de plantas de R. rosea como adaptógenos. 

 

Suplementos dietéticos contendo Rhodiola, Withania, Ginseng, Eleutherococcus, Schisandra e outros extratos de plantas adaptogênicas são amplamente utilizados em todo o mundo, enquanto na China, Coréia, Japão, Rússia e alguns países vizinhos, várias formas farmacêuticas de plantas adaptogênicas fazem parte da medicina oficial. 

 

A patogênese de doenças complexas, bem como a resposta adaptativa ao estresse, inflamação e senescência são processos de várias etapas que envolvem comunicações extracelulares e intracelulares em diferentes estágios de estresse regulação e não pode ser limitado às poucas interações bioquímicas que ocorrem no cérebro ou em outros tecidos.

 

Claramente, para a descrição do mecanismo de ação dos adaptógenos, o modelo reducionista que assume uma única interação droga receptor é insuficiente e não é válido. Os adaptógenos têm muitos alvos moleculares envolvidos na regulação metabólica da homeostase nos níveis celular e sistêmico e desempenham um papel de modificadores da resposta ao estresse. 

 

A farmacologia de rede com o uso da biologia de sistemas oferece novas e empolgantes oportunidades para entender esses sistemas complexos. Durante as últimas décadas, muitas moléculas, vias de sinalização e redes direcionadas por adaptógenos foram identificadas.

 

A ação dos adaptógenos está associada principalmente à regulação metabólica via comunicação extracelular de hormônios do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) e ativação de vias de sinalização de resposta adaptativa ao estresse intracelular.

 

O eixo HPA desempenha um papel fundamental na regulação da maioria dos hormônios endócrinos associados ao SNC. Estresse hormônios regulam o crescimento, apetite, pressão arterial, emoção, função sexual, temperatura corporal, sono, biorritmos e hidratação. Eles são produzidos pelo sistema endócrino, são secretados na corrente sanguínea e têm como alvo outros tecidos para regular as funções fisiológicas. A principal função dos hormônios do estresse é manter a homeostase para combater o estresse. 

 

Todos os adaptógenos testados (R. rosea L., E. senticosus, W. somnifera, R. carthamoides e B. alba) ativam a melatonina, que desempenha um papel em diferentes doenças comuns do envelhecimento, como distúrbios neurológicos, hipertensão, dislipidemia, deficiência intelectual, retinopatia e câncer. 

 

Os distúrbios associados ao envelhecimento surgem do declínio da capacidade de lidar com o estresse, de sustentar células e sistemas homeostase, e para manter as funções fisiológicas. Esses distúrbios estão associados à neurodegeneração (comum na doença de Alzheimer, doença de Parkinson e demência senil), aterosclerose (causa de doenças cardiovasculares e cerebrovasculares), regulação imunológica (desregulada no câncer, autoimune e crônica em doenças inflamatórias) e endócrino/ disfunção metabólica (desequilibrada em diabetes e obesidade). 

 

O prolongamento da vida útil e o aumento da sobrevida sob estresse após o tratamento com preparações de R. rosea, S. chinensis, E. senticossus, W. somnifera e P. ginseng foram mostrados positivamente. Com base nessas observações, foi sugerido que os adaptógenos atuam como estressores leves, induzindo maior resistência ao estresse e uma vida útil estendida. 

 

Desafios e questões regulamentares

 

O termo adaptógenos, como os termos antioxidantes e vitaminas, ainda não é comumente usado para se referir a um grupo farmacológico, apesar do fato de que os termos atividade adaptogênica e adaptogen foram adotados por autoridades reguladoras de medicamentos e clínicos gerais na Europa, Estados Unidos e Ásia. 

 

Em 2008, a Agência Europeia de Medicamentos publicou “Reflection Paper on the Adaptogenic Concept”, que se refere aos 18 artigos de revisão publicados em 1947-2005 e conclui:

 

  • O princípio de ação adaptogênica necessita de maiores esclarecimentos e estudos na área pré-clínica e clínica. Como tal, o termo não é aceito na terminologia farmacológica e clínica que é comumente usada na UE.

  • A agência está ciente do fato de que numerosos estudos pré-clínicos e clínicos foram realizados com o objetivo de provar o conceito de um adaptógeno. No entanto, os dados clínicos têm uma série de deficiências.Existe uma ampla gama de condições clínicas que foram investigadas e em alguns estudos o número de pacientes foi muito pequeno. Nenhum dos estudos seria suficiente para substanciar a eficácia das preparações de Eleutherococcus, por exemplo.  

  • Como o termo "adaptogênio" não é considerado apropriado para uma autorização de comercialização, mais estudos clínicos e dados sobre a eficácia em uma condição clínica bem definida seria necessária 

  • O conceito de adaptógenos é suficiente para ser considerado na avaliação de medicamentos tradicionais à base de plantas.

 

O documento também que as preparações de três plantas adaptogênicas podem ser oficialmente utilizadas como medicamentos tradicionais à base de plantas. 

 

  • Rhodiola: para alívio temporário de sintomas de estresse, como fadiga e sensação de fraqueza, na Áustria, Itália, Holanda, Espanha, Suécia e Reino Unido.

  • Ginseng e Eleutherococcus : para o alívio dos sintomas de astenia (perda anormal de força e energia) como cansaço e fraqueza na França, Alemanha, Lituânia, Polônia, Espanha e Suécia.

 

O desafio mais importante está relacionado à evidência da eficácia clínica dos adaptógenos para o tratamento de muitas doenças induzidas pelo estresse e relacionadas ao envelhecimento, que devem ser demonstradas em larga escala estudos clínicos imparciais, cegos e controlados por comparador. 

 

As preparações à base de plantas, embora padronizadas para constituintes ativos, ainda são muito complexas e podem ter efeitos positivos e negativos em inumeras variáveis dependendo de fatores que têm um impacto crucial na reprodutibilidade da atividade farmacológica (por exemplo, condições de crescimento, território regional e diferenças de gênero). Dificuldades na fabricação colocam as preparações à base de plantas em desvantagem em relação às convencionais. 

 

No entanto, apesar dessas limitações, o desenvolvimento de preparação à base de plantas para a prevenção e tratamento de muitas doenças é de grande interesse e tem potencial promissor para terapias seguras, eficazes e acessíveis com tolerabilidade superior e baixa incidência de eventos adversos. São necessárias mais evidências de estudos clínicos devidamente controlados para apoiar as alegações de saúde e indicações de preparações à base de plantas de grau farmacêutico para uso no tratamento de doenças. 

 

E para concluir

 

Nessa revisão, foi resumido o conhecimento sobre plantas adaptogênicas comuns usadas como preparações médicas URSS/Rússia e na medicina tradicional chinesa, medicina Ayurveda e outros STM, para fornecer uma justificativa moderna para seu uso no tratamento de doenças induzidas por estresse e relacionadas ao envelhecimento.

 

No geral, os princípios básicos da STM estão alinhados com os do conceito adaptogênico. A chave para entender os adaptógenos é o seu papel no estabelecimento e manutenção da homeostase adaptativa. Os adaptógenos funcionam como vacinas contra o estresse para ativar o sistema de defesa do corpo e a taxa metabólica, versando os efeitos físicos negativos do estresse e restaurando o equilíbrio e a saúde do corpo. 

 

Nesta revisão, pela primeira vez, comparamos e analisamos princípios, conceitos e usos básicos comuns de plantas adaptogênicas usando uma abordagem comparativa transcultural. Em conclusão, os princípios básicos da STM estão alinhados com os do conceito adaptogênico, que utiliza modelos de biologia de sistemas e farmacologia de rede para entender os fundamentos do STM. 


 

Nota da escritora: Antes de qualquer decisão sobre a utilização é importante ter conhecimento e informações fidedignas sobre cada adaptógeno que se pretende utilizar. Faz-se necessário que o profissional possua um curso de pós- graduação na área, para que tenha conhecimento de tais técnicas e assegure uma correta intervenção no paciente. Também é valido entrar no site da Agência Nacional de Vigilância (ANVISA) e verificar quais adaptógenos estão liberados no Brasil e quais recomendações para são aprovadas nos produtos comercializados no território nacional. 


O site da Associação Brasileira de Fitoterapia (https://abfit.org.br/) é um boa fonte de consulta e no site da Anvisa, você encontra a 2ª edição da Farmacopeia Brasileira e a Instrução Normativa de 2021, que curso sobre o assunto.

Academia da Nutrição
Academia da Nutrição
Academia da Nutrição Seguir

Queremos DESCOMPLICAR a ciência da nutrição. Dar voz aos profissionais de saúde e abrir diálogo com todos envolvidos, incluindo marcas e produtos. Plataforma exclusiva para nutricionistas e estudantes da área. É DE GRAÇA E SEMPRE VAI SER.

Ler conteúdo completo
Indicados para você